http-equiv='refresh'/> ESPÍRITA NUNCA MAIS: Dezembro 2014

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O Carma na cosmovisão Kardecista.



Paralelamente à doutrina da reencarnação segue-se a doutrina do carma que, nas palavras de Kardec, explica essa doutrina dizendo que toda a falta cometida, todo o mal praticado, é uma dívida contraída que deverá ser paga pelo próprio homem através do arrependimento, expiação (que é o sofrimento) e reparação (que são as boas obras). Assim, as condições para alguém se tornar um espírito puro são três:

Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas conseqüências (“O Céu e o Inferno”, p. 747. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

Resposta Apologética:

1. Arrependimento

Quanto ao arrependimento, a Bíblia afirma que o ladrão na cruz se arrependeu e ouviu de Jesus a promessa de que naquele mesmo dia estaria com Ele no paraíso: Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso (Lc 23.42-43). Jesus, por sua vez, estabeleceu: se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis (Lc 13.3).

2. Expiação

Então, segundo Kardec, esta vida é uma expiação. O que sofremos é justo; foi merecido por nós, ainda que seja noutras encarnações. Muito bem. Então, quando um homem mau persegue o seu semelhante; quando alguém furta; quando o capanga mata; é sempre instrumento de justiça divina. Deus não pode deixar exceder o que a pessoa mereceu; pois que, se o sofrimento passasse o mal cometido, Deus seria injusto; faria diferença entre as suas criaturas inteligentes. Segue-se que, se matarmos, se torturarmos ao próximo, não fazemos nada de mal. É apenas o que ele mereceu noutras encarnações! Sim, pelos dizeres dos espíritas, Deus não pode permitir a injustiça; Deus não pode permitir a desigualdade do mundo. Se o permite, é porque foi merecida. E daí? Daí que resulta que não há mal nenhum em matar; que é uma boa obra o furtar; que há merecimento em martirizar os outros… e não é só isso: deduz-se que se está fazendo um bem quando todo mundo pensa que se está a fazer mal aos outros.

Quando um amigo atraiçoa outro, rouba-o, deixa-o na miséria – devia ser abraçado por este com lágrimas de gratidão. Não lhe podia fazer um bem maior.

E depois, ele já tinha mesmo de passar por essa… Estava escrito… Ele o tinha merecido na encarnação anterior. Logo, espíritas, pelas suas doutrinas, podemos e devemos praticar o mal. Quanto mais mal fizermos aos outros, maior será o benefício que eles recebem. Quanto mais pagar das suas culpas, tanto mais nos agradecerá.

Pela doutrina bíblica, fazendo mal aos outros, expomo-nos a fazer sofrer um inocente. Pela doutrina espírita, só fazemos sofrer a quem mereceu.

3. Reparação

Quanto a esta última, o espiritismo adotou o slogan: Fora da Caridade não há Salvação.

Meus filhos, na máxima, Fora da Caridade Não Há Salvação, estão contidos os destinos dos homens na terra como nos céus (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, p. 631, Ibidem).

Muitos querem identificar a caridade cristã com a filantropia. Na realidade são duas coisas distintas. Em 1 Coríntios, 13.3, Paulo afirma que alguém pode dar seu corpo para ser queimado e todos os seus bens aos pobres e ainda não ter caridade. Se não é caridade cristã, então o que é? Seria, a verdadeira filantropia. Filantropia e caridade podem apresentar um aspecto externo exatamente igual e, no entanto, haver diferença fundamental entre ambas. Dizemos, à luz da Bíblia, que a razão da nossa existência consiste em glorificarmos a Deus: Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus (Mt 5.16). Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder, porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas (Ap 4.11). Logo, o primeiro mandamento, em importância, é o amar a Deus sobre todas as coisas (Mt 22.37-39). E afirmamos que existe uma conexão entre a caridade cristã e o amor a Deus. Os dois chegam mesmo a identificar-se, pois em Mateus 25.40 Jesus declara: E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizeste a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Aí está a significação da caridade. O cristão ama a Deus no próximo. Foi assim que se deu com Zaqueu (Lc 19.1-10). Ao receber Jesus em casa, logo nasceu a preocupação pelos menos favorecidos e se pronunciou espontaneamente: E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado (Lc 19.8).

As boas obras nunca salvaram e nunca ajudaram a salvar. Paulo afirma em Efésios 2.8-10: Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua; criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas. Somos criados para as boas obras e não pelas obras e é por meio da fé que somos salvos. As boas obras são o resultado da nossa fé em Cristo. Paulo, em 2 Coríntios 5.17, declara que nos tornamos novas criaturas, abandonando as práticas más e nos voltamos para a prática do bem, desde que estejamos em Cristo Jesus. Logo, as boas obras devem ser apenas a manifestação externa do interno amor que temos a Deus.

4. Perguntas que fazem os espíritas:

Por que uns nascem com saúde e outros doentes e aleijados?

a) Pai sifilítico gera filho sifilítico. A TV apresentou uma reportagem a respeito de oito mil crianças nascidas aleijadas e defeituosas, porque suas mães em estado de gravidez tomaram o famoso psicotrópico Talidomida. Este é o fato inconcusso absoluto. O resto não passa de pura fantasia dos adeptos da reencarnação.

b) Por que alguns nascem ricos e outros na mais extrema miséria?

Dizem os reencarnacionistas que os ricos são espíritos adiantados e os pobres, espíritos atrasados.

Ora, se assim fosse, Cristo deveria ser um espírito muito atrasado, pois morreu pobre, crucificado entre dois ladrões e miseravelmente caluniado.

Pelo que sofreu deveria ter cometido hediondos crimes na vida passada. Ocorre que Kardec ensina que a pessoa não tem lembrança alguma dos fatos da vida anterior.

Castigar sem que o réu saiba por que parece brutalidade e não satisfaz nem o nosso próprio sentimento de justiça humana, quanto mais o da justiça divina. Um Hitler fica livre de seus crimes, porque uma menina nascida no Brasil é a reencarnação de Hitler e vai sofrer no lugar dele. Mesmo sem saber porque está acometida de uma doença grave, por exemplo, leucemia. Morre sem saber dos seus crimes numa existência anterior quando vivia como Hitler.

É lógico? Kardec afirma mais que: a reencarnação se enquadra melhor com a justiça ao dizer que é única que corresponde à idéia da justiça de Deus… (“O Livro dos Espíritos”, p. 84. Editora Opus Ltda., 2ª edição especial, 1985).

c) Qual o estado da alma, originalmente?

São criadas simples e ignorantes as almas, quer dizer, sem cultura e sem reconhecerem o bem e o mal (“O Livro dos Espíritos”, p. 324. editora Opus Ltda; 2a edição especial, 1985).

Façamos então uma comparação entre os homens e os animais. Afirma Kardec que os animais tiraram o seu princípio inteligente do elemento universal inteligente, igualmente como o que aconteceu com o homem. Posto isto, os animais possuem uma inteligência que lhes faculta certa liberdade de ação, inclusive passando pela erraticidade como o homem, sujeito a uma lei progressiva. Mas, por fim, fica o animal no mesmo nível de que o homem, admitindo-se o princípio de justiça de que cada qual faz por merecer? Não! Os homens sempre se colocam num nível superior aos olhos dos animais, para quem os homens são deuses, permanecendo assim os animais num estado de inferioridade. Logo, Deus criou seres intelectuais perpetuamente destinados à inferioridade, que, parece, contraria o princípio de justiça divina a que se refere Allan Kardec para justificar a reencarnação.

De onde tiram os animais o princípio que constitui a espécie particular de alma de que são dotados?

Do elemento inteligente universal.

Tendo os animais uma inteligência que lhes dá certa liberdade de ação, haverá neles algum princípio independente da matéria?

Sim, e que sobrevive ao corpo.

Sobrevivendo à morte do corpo, a alma o animal fica errante, como a do homem?

Há uma como erraticidade, e vez que não se acha unida a um corpo…

Os animais estão sujeitos, como o homem a uma lei progressiva?

Sim, e daí vem que nos mundos superiores, onde os homens são mais adiantados, os animais também o são, dispondo de meios mais amplos de comunicação. São sempre, porém, inferiores ao homem e se lhe acham submetidos, tendo neles o homem servidores inteligentes

(O Livro dos Espíritos, p. 167, Editora Opus Ltda., 2º edição especial, 1985).

Por que é que uns nascem inteligentes e outros medíocres?

Como acontece com os animais, os vegetais e também a parte somática do indivíduo em que não há nada absolutamente igual, assim também acontece com a inteligência do homem. Já viram porventura uma impressão digital igual à outra? De maneira nenhuma. Assim também acontece com a inteligência, faculdade da alma. Temos ainda a palavra de um médium espírita:

Anatole Barthe refuta assim as desigualdades humanas: Para desenvolver as desigualdades humanas os espíritas ensinam a reencarnação. Não sabem estes que não há dois seres, duas coisas perfeitamente iguais na natureza e que nem no imenso espaço nem tampouco ao longo do tempo podem ser encontradas? Não é precisamente na diversidade que nasce a harmonia do universo? (“Le Livre des Espirits, Recueli de Comunications Obenues par Divers Médiuns”, Paris, 1863 p. 21).

e) Regressão de idade prova a reencarnação?

Absolutamente não. Já se acha comprovado pela hipnologia: quando o hipnotizado é reencarnacionista, revela reencarnação, entretanto quando não é, nega-a. De forma que a regressão de idade para provar ou negar a palingenesia depende da opinião do hipnotizado.

Experiências Inversas – Podemos também fazer experiências de progressão de memória sugerindo que o hipnotizado tenha envelhecido, situação irreal, que se comporta como autêntico ancião. Conclui-se daí que em ambos os casos as situações são puramente imaginárias, sugeridas tanto pelo consciente como pelo hipnotizado.

f) O problema populacional:

Sabemos que a população do mundo aumenta assustadoramente, ultrapassando hoje os seis bilhões de habitantes. Sabemos também que há poucos anos eram três bilhões. No Brasil, por exemplo, em 1935, havia mais ou menos 34 milhões de pessoas; em 2001 somos mais de 160 milhões. Portanto, se a pessoa morre e se reencarna, não pode absolutamente aumentar a população. De onde, então, vêm tantos espíritos? Allan Kardec ensina que o homem vem do macaco, evoluindo. Será por isso que os macacos estão em extinção?

Extraído da Editora ICP em 10/08/2013

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Espíritas: Negam a existência do inferno.


Ninguém pode ser tachado de incoerente só por negar a existência do Inferno, onde (de acordo com o Cristianismo bíblico) o diabo, os demônios e os humanos que se perderem serão atormentados eternamente. Cheguei a esta conclusão à base do seguinte raciocínio: Já que ninguém é obrigado a ser cristão, então ninguém é obrigado a crer que o Inferno existe. Todavia, aquele que se diz cristão, mas não admite o Inferno como real, é, sim, incoerente. Por exemplo, ninguém é obrigado a reconhecer Maomé como Profeta de Alá, mas é impossível ser muçulmano sem admitir isso. Deste modo, o fato de o Kardecismo rechaçar a ideia da pena eterna, e, concomitantemente, se dizer cristão, denota que essa seita é um sistema discrepante, não sendo, pois, uma instituição cristã; já que Cristo, o fundador do Cristianismo, falava coisa com coisa.
Embora o propósito primário deste livro não seja uma apologia ao Cristianismo bíblico, mas apenas demonstrar que o Kardecismo é hipócrita por se dizer cristão sem arcar com as implicações desta postura, neste capítulo argumento que a crença na pena eterna não é incompatível com a bondade de Deus. Seria, se Deus, além de bom, não fosse também justo e santo.
A empreitada do presente capítulo, bem como de todo este livro, é hastear as incoerências Kardequianas, tornando-as bem visíveis. Talvez isto contribua para livrar alguém de percorrer esse caminho que também conduz ao Inferno.
Provo nesta obra que a realidade do Inferno é uma doutrina do Cristianismo histórico, e que, sendo assim, é incoerência se dizer cristão sem aquiescer a este fato. Então, o Kardecismo é incoerente.
Sintetizando o que Allan Kardec escreveu em seus livros (principalmente no livro intitulado “O Céu e o Inferno”), no seu inglório afã de “provar” a inexistência do Inferno como um lugar de suplício eterno, digo, com minhas palavras, que as “razões” por ele apresentadas são as seguintes: “O castigo eterno não existe porque:
a) Jesus jamais se referiu ao suplício eterno; 
b) É contrário ao bom senso;
c) É repugnante à justiça;
d) É oposto ao amor de Deus;
e) É uma desonra ao Deus amoroso”
Refutarei às objeções supra, na mesma ordem acima apresentadas:

5.1. Jesus jamais falou de suplício eterno
Não é necessário provar que os kardecistas negam a existência do Inferno, porquanto eles não escondem isso de ninguém. Kardec entendia que Jesus, em consequência do atraso inerente aos espíritos de seus contemporâneos que, por isso mesmo, não estavam à altura de entender a verdade sobre este assunto, absteve-se de fazê-lo. Jesus, segundo Kardec, não disse que não há suplício eterno, mas também não afirmou que haja. É que Ele sabia que com o tempo isso passaria. Senão, vejamos:
“Jesus encontrava-se, pois, na impossibilidade de os iniciar no verdadeiro estado das coisas; mas não querendo, por outro lado, com sua autoridade, sancionar prejuízos aceitos, absteve-se de os retificar, deixando ao tempo essa missão. Ele limitou-se a falar vagamente da vida bem-aventurada, dos castigos reservados aos culpados, sem referir-se jamais nos seus ensinos a castigos e suplícios corporais, que constituíram para os cristãos um artigo de fé” (O Céu e o Inferno. Federação Espírita Brasileira: 1ª parte, capítulo IV, nº 6, página 43. Grifo meu).
Pelo que me consta, Jesus jamais deixou de ensinar quaisquer verdades, em respeito aos preconceitos, ignorância e tradições existentes nos dias de Seu Ministério terreno: assentou-se à mesa com os publicanos (Mt 9:11; Lc.15:1-2); mandou um homem transportar a sua cama em dia de sábado (Jo.5:8-13); foi de encontro às tradições dos anciãos (Mt 15:1-11); falou a uma mulher samaritana (Jo.4:9,27); declarou Sua igualdade com Deus (Jo 5:18); exigiu para Si as honras reservadas exclusivamente para Deus (Jo 5:23); e disse ser um com Deus (Jo 10:30), o que equivale a dizer que Ele é Deus (Jo 10:31-33).  [Ora, os judeus erraram ao pensar que Jesus estava blasfemando por se fazer Deus, mas acertaram por interpretar a firmação “Eu e o Pai somos um” como equivalente a “Eu sou Deus” (confere com Jo 10:31-33)]. Os kardecistas, naturalmente me rebatem citando Jo. 16:12, onde Jesus teria “deixado de ensinar algo que os apóstolos ainda não podiam suportar naquela época, devido às imperfeições de seus espíritos”. Mas o contexto demonstra não ser este o caso, visto que dentro de poucos dias após, o Consolador veio e os guiou em toda a verdade. Logo, segundo o próprio Cristo, os apóstolos receberam a Doutrina completa, já que, segundo a Bíblia, o Consolador que lhes daria maiores revelações tão logo viesse, veio dentro de um período de tempo inferior a dois meses e os guiou a toda a verdade. Ademais, não é de se duvidar que Cristo se referia apenas às perseguições que eles, os apóstolos, iriam enfrentar, as quais produziriam até mártires. Certamente não era prudente dizer a Pedro que ele seria um dia crucificado de cabeça para baixo; a Tiago, que ele seria decapitado; a Tomé, que ele seria transpassado por uma flecha e assim por diante. Bem, a que segredo se referia Jesus em Jo 16:12: Às perseguições que os apóstolos enfrentariam? A maiores revelações da parte de Deus, revelações estas que redundariam na composição do Novo Testamento? Ou Ele se referia a estas duas coisas? Seja como for, a Bíblia é clara: Os apóstolos receberam o Consolador e, por conseguinte, foram guiados a toda a verdade, bem como habilitados a testificar de Cristo incondicionalmente.
O fato de Jesus afirmar que “ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Mas, quando vier aquele Espírito da verdade, ele vos guiará em toda a verdade” é, segundo os kardecistas (como vimos acima), prova cabal de que naquela época a Humanidade ainda não estava preparada para receber toda a verdade, e que, por isso mesmo, Jesus deixou claro que no devido tempo Deus daria à Humanidade uma revelação maior do aquela mediada por Cristo. Acontece, porém, que Jesus não disse assim: “ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Mas, quando estiverdes preparados, Eu vos darei outro Consolador que o dirá ”. Logo, os discípulos não tinham que evoluir para receberem o Consolador, e sim, receber o Consolador para se habilitarem a maiores revelações. Ademais, vimos no capítulo 3 que, segundo a Bíblia, o Consolador veio no século I.
Embora eu não queira ombrear os que não veem em Jesus mais que “um grande filósofo, um grande idealista, um revolucionário político, um grande defensor dos direitos humanos, um grande defensor dos pobres” e assim por diante, reconheço que a mensagem do Cristo causou tão grande impacto nos seus contemporâneos que estes (na sua maioria), rejeitaram-no; e que, não obstante, Ele não arredou o pé: expôs os charlatões publicamente (Mt 21:12,13), falou a verdade com autoridade jamais vista (Mt. 7:29), possibilitando ao povo ouvir algo inédito (Jo. 7:46). Isto nos convence que as dissertações de Allan Kardec em torno da postura de Cristo sobre o Inferno, são meras palavras ocas. Cristo falou sim, senhor Kardec, do castigo eterno; e não o fez de modo vago, mas claro. Disse Jesus:
·         “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?” (Mt 23:33 );
·         “… vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”. (Jo 5:28, 29);
·         “… Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna” (Mt 25:41, 46);
·         “Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó e todos os profetas, no reino de Deus, e vós lançados fora” (Lc 13:28);
·         “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Mc 16:15, 16).
Repito: Cristo falou sim, do castigo eterno; e não o fez de modo vago, mas claramente, como acabamos de ver.

5.2. É Contrário ao Bom Senso.
Para sabermos se existe ou não o castigo eterno, não podemos nos limitar à consulta do “bom senso”; de outro modo poderíamos fazer acerca da existência do Inferno as seguintes afirmações:
a) Existe realmente;
b) Não existe realmente;
c) Não sabemos se existe ou não.
Por que? Porque encontramos pessoas igualmente inteligentes que fazem, de per si, estas afirmações, alegando todas contarem com a corroboração do bom senso. E aí? Qual das três opiniões é a correta?
Para pronunciar positiva ou negativamente sobre a existência da pena eterna, ninguém está melhor credenciado que o Senhor Jesus Cristo, os profetas e os apóstolos. Ouçamo-los:
Jesus:
Vimos no sub tópico anterior (5.1) cinco trechos bíblicos nos quais Jesus aparece falando sem rodeios do suplício eterno, ou seja, falando do Inferno. E muitos outros versículos eu poderia citar. Todavia, por ora fiquemos só com aqueles, visto os mesmos nos bastam para nos convencer que Cristo falou sim, do castigo eterno; e que não o fez de modo vago, mas claramente.
Apóstolo João:
·         “E o diabo que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados pelos séculos dos séculos” (Ap 20:10 ).
“E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo” (Ap 20:15).
Apóstolo Paulo:
·         “Os quais sofrerão, como castigo, a perdição eterna, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder” (2 Ts. 1:9).
Autor da Epístola aos Hebreus:
·         “Como escaparemos nós, se descuidarmos de tão grande salvação?…” (Hb 2:3a );
·         “Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários. Havendo alguém rejeitado a lei de Moisés, morre sem misericórdia, pela palavra de duas ou três testemunhas; de quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do pacto, com que foi santificado, e ultrajar ao Espírito da graça? Pois conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” ( Hb 10:26-31 );
Daniel:
·         “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para a vergonha e desprezo eternos” (Dn 12:2).
João Batista:
·         “Quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, porém, desobedece ao Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo 3:36).

5.3. É Repugnante à Justiça

O que é justiça? O extinto programa de TV intitulado “Você Decide” é um nítido exemplo do quanto a consciência humana está atrofiada, e, portanto, impossibilitada de decidir por si só entre o justo e o injusto: milhões de pessoas diziam “sim” e milhões diziam “não”. E agora José?  Se alguém se achar no direito de fazer lei de uma dessas afirmações, não poderá impedir que um outro faça lei da que sobrar, porquanto, embora divergentes entre si, ambos têm, de per si, milhões de simpatizantes. Assim fica claro que o homem necessita duma unidade padrão, com a qual possa gabaritar suas palavras e obras, bem como se certificar da autenticidade ou não de tudo aquilo que se intitula justiça. E esta unidade padrão, segundo nos informaram os homens santos de Deus e o próprio Jesus, existe: é a Bíblia. Senão vejamos:
Jesus:
·         “Errais, não conhecendo as Escrituras…” (Mt 22:29);
·         “… a Escritura não pode ser anulada” (Jo 10:35);
·         “…as Escrituras… dão testemunho de mim” (Jo. 5:39);
Isaías:
·         “À Lei e ao Testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra nunca verão a alva” (Is 8:20);
Apóstolo Paulo:
·         “Escrevo-te estas coisas … para que saibas como convém andar …” ( I Tm 3: 14,15 );
·         “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça” (2 Tm 3:16);
Apóstolo Pedro:
·         “Sabendo, primeiramente, isto, que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação, porque jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens santos falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo” (2 Pe. 1: 20, 21).
Está claro, é a Bíblia que dá a primeira e última palavra em todos os setores da nossa vida. Temos algo incomparavelmente mais confiável do que as falíveis razões humanas: a Bíblia, a Palavra de Deus.
Se mal interpretado, o que foi apresentado até aqui pode levar um leitor desavisado a concluir precipitadamente que o autor destas linhas discorda do uso da razão. Mas não é este o caso. Eu raciocino sim. De outro modo eu não teria detectado as contradições do Kardecismo, e talvez já até tivesse me convertido a essa seita.
O fato de Cristo dizer que “nem um jota ou um til, se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido” (Mt 5:18), justifica o título honorífico de “sagradas letras” (2 Tm. 3:15) que o apóstolo Paulo atribuiu à Bíblia.
Até a sabedoria popular já externou a sua opinião acerca da inconsistência das nossas imaginações falíveis, ao dizer: “a cada cabeça uma sentença”.
No livro intitulado “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, supracitado, capítulo 5, nº 21, páginas 115-116, está contida uma exortação a não avaliarmos a justiça divina pelos nossos suspeitos padrões. Diz o texto: “Por que haveis de avaliar a justiça de Deus pela vossa?”.  Assim o Kardecismo destrói-se a si mesmo.

5.4. É Oposto ao Amor de Deus.
O que a Bíblia afirma com muita clareza, é que realmente existe a pena eterna e que Deus é, inegavelmente, amor. Se temos dificuldades para compreendermos o porquê da severidade de Deus para com o pecado, o problema deve estar em nós. O próprio Kardecismo diz: “Por que haveis de avaliar a justiça de Deus pela vossa?”
Talvez a passagem bíblica que mais enfatiza, simultaneamente, a perdição eterna e o amor de Deus, seja Jo 3:16. Este versículo diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Ora, se Deus nos deu Seu Filho para não perecermos, está provado que Ele viu que se não no-lo desse, pereceríamos inevitavelmente; e, visto que Ele realmente é amor, e, portanto, não deseja esta tamanha catástrofe para nós, tomou medidas drásticas e radicais contra o pecado, em defesa do pecador. Este texto bíblico (Jo.3.16) nos assegura que Deus nos deu o Seu Filho com a seguinte finalidade: Nos livrar de perecer e, por conseguinte, nos dar a vida eterna.  A esta altura eu pergunto aos kardecistas: O que é perecer? Vejam que estava para nos suceder uma desgraça; o nome dessa desgraça é perecer; e que Deus nos deu o Seu Filho Jesus para anular essa tal desgraça. Se não existe a pena eterna, a que desgraça se refere Jo 3:16? Se todas e quaisquer faltas pudessem ser reparadas através de boas obras e sofrimentos, nesta e/ou noutra (s) encarnação (ões), neste e/ou noutro (s) mundo (s), asseguro que não haveria necessidade de Deus nos dar o Seu Filho unigênito para nos livrar de perecer, pois já teríamos em nós mesmos a solução desse inconveniente: a caridade e as vicissitudes da vida. Logo, Deus nos teria dado o Seu Filho em vão.
Se o sacrifício de Jesus não quita para com Deus o pecador que arrependido crer, segue-se que a vinda de Cristo ao mundo foi inteiramente ineficaz e inoperante, não tendo, portanto, produzido nenhum efeito positivo sobre nós, porquanto ainda estamos sujeitos a tudo quanto estaríamos, se Ele não tivesse vindo em nosso auxílio, a saber, ainda temos que expiar os nossos pecados através das boas ações + sofrimentos. Acontece, porém, que Jesus Cristo disse “que todo aquele” (o que equivale a dizer: seja lá quem for) “que nEle crê ” não perecerá, mas terá “a vida eterna”. O que é “não perecer”? O que é “ter a vida eterna”? “Não perecerá” significa que não sofrerá a pena eterna? Mas para que nos daria Deus o Seu Filho para nos livrar da pena eterna, se esta não existisse? Há! “Não perecerá” significa que o crente não terá que sofrer as consequências dos seus pecados? Como não, se Allan Kardec disse que o homem não se livra de pagar o que deve, nesta ou noutra encarnação, neste ou noutro mundo? Respondam-me, ó kardecistas, o que é o “não pereça” a que Jesus fez menção? Está claro, quem crer vai se livrar de uma coisa ruim chamada perecer. Essa coisa ruim não seria uma pena eterna, pois esta não existe (segundo o kardecismo); também não é deixar de sofrer uma pena temporal, isto é, uma pena por um tempo determinado, até que o pecador expie as suas culpas, pois segundo o kardecismo, o homem sofrerá inevitavelmente as consequências de suas faltas. Então, que é o “não pereça”?
É digno de nota que o “não pereça”, está em oposição com o “tenha a vida eterna”, o que por si só já nos informa que quem não perecer terá a vida eterna, e que quem não tiver a vida eterna, irá perecer.
Uma vez que nós (os evangélicos) e os kardecistas cremos na imortalidade da alma, e por “vida eterna” entendemos uma existência feliz com Deus para sempre, “pereça” não seria uma existência consciente, sem Deus, infeliz, para todo o sempre? Se o leitor é kardecista, por certo está pensando: “Não pode ser, pois Deus é amor!” Mas aí eu lhe pergunto: O fato de Deus nos ter dado o Seu Filho unigênito para nos livrar da pena eterna, à qual estávamos sentenciados, não é, porventura, uma grande prova de amor? Sendo a pena, eterna ou não, ao nos dar Deus o Seu Filho para nos livrar dessa pena, Ele prova o Seu imensurável amor por nós, você não acha? E se Deus nos deu o Seu Filho para nos livrar da pena, ainda que esta não fosse eterna, estaria extinta por Jesus, continuando Allan Kardec a assumir o sacrílego posto de falso profeta, considerando que muitos anos após Deus nos ter dado o Seu Filho para nos salvar, ele (Allan Kardec) escreveu o seguinte:
a)     “… O sofrimento é inerente à imperfeição, assim como toda falta dela promanada, traz consigo o próprio castigo nas consequências naturais e inevitáveis …” (O Céu e o Inferno, capítulo VII, nº 33, página 100. Grifo meu);
b)    “Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida contraída que deverá ser paga; se o não for em uma existência, sê-lo-á na seguinte ou seguintes, porque todas as existências são solidárias entre si,… (Idem,  capítulo VII, nº 9, página, 91).
Por que é inevitável as consequências das nossas faltas, se Deus nos amou de tal maneira que nos “deu o Seu Filho unigênito para que” ao nEle crermos deixemos de perecer e tomemos posse da “vida eterna”?
Quando o Senhor Jesus Cristo mandou pregar o Evangelho a todas as pessoas, assegurou que “quem crer e for batizado será salvo”; e que “quem não crer será condenado” (confere Mc 16:15,16). Logo, os kardecistas precisam saber o seguinte:
a)     O Senhor Jesus salva (Hb 7:25; At 10:43; 2:48; Mc 2:9; Ef 2:5, 8, 9; I Jo 1:7; Rm 3:23-28; Rm 6:23; 8:1);
b)     Quem crê em Jesus não perece, tem a vida eterna, é salvo e não é condenado. E que significa ter a vida eterna, ser salvo, não perecer, e não ser condenado?
Se não há pena eterna, e sim a inevitabilidade duma punição que termina tão logo o penitente pague o que deve através das boas obras e das aflições da vida, nesta e/ou noutra (s) encarnação (ões), pergunta-se: Quem crer no Evangelho será salvo de quê? E quem não crer será condenado a quê? Sim, se existe a inevitabilidade das consequências das faltas, quem crer será salva de que? Igualmente, se não há pena eterna, e sim a inevitabilidade duma pena passageira, quem não crer no Evangelho será condenado a quê, visto que a pena passageira nós sofreremos inevitavelmente, crendo ou não no Evangelho, como o insiste o Kardecismo?
Eu estou apelando para a Bíblia, e os kardecistas devem considerar isto relevante, pois como já sabemos, Allan Kardec recorre à Bíblia frequentemente. Para saber isto, basta ler seus livros. Quem examina as obras do Kardecismo sabe que a literatura kardequiana está recheada de textos bíblicos. Claro, já vimos no capítulo 2 que Kardec o fazia com segundas intenções, mas, de um jeito ou de outro, isso nos confere o direito de também irmos à Bíblia, para certificarmos se de fato a Bíblia dá ao Kardecismo o apoio que essa seita alega receber do Livro dos livros. Sim, já que Allan Kardec invocou o testemunho bíblico, vejamos o que a testemunha tem a dizer. Ouçamo-la!

 5.5. É Uma Desonra ao Deus Amoroso.
informei que o Kardecismo prega que a crença na existência do tormento eterno desonra o Deus amoroso. Porém, a verdade é diametralmente oposta. A severa punição eterna, aplicada sobre o pecado, por si só demonstra quão hediondo crime o pecado é; o que, por sua vez, testifica da magnificência de Deus, bem como da magnitude da Sua Lei. Sim, isto exibe com naturalidade a magnificência de Deus, cuja Lei justa, santa e boa não pode ser ultrajada sem horríveis consequências. O pecado, por ser contra Deus, o qual é infinito em todos os Seus atributos: justiça, santidade, bondade, etc., é um crime de hediondez infinita que reclama punição infinda. Uma punição dosada (deficiências físicas, doenças, pobreza… e outras desventuras), como a sugerida pelos kardecistas, seria algum tipo de misericórdia e afrouxamento da justiça divina, o que só ocorrerá no dia em que Deus deixar de ser Deus. Mas, como o Senhor é Deus de eternidade a eternidade (Sl 90.2), isto é, de um passado infinito a um futuro infindo, o fogo que se acendeu na Sua ira (Dt. 32:22) jamais apagará; o que perpetua infinitamente o tormento dos perdidos. Lembremo-nos que “o juízo será sem misericórdia” (Tg. 2:13).
O tormento eterno não é contrário ao amor de Deus, mas sim, oposto às consciências cauterizadas (1 Tm. 4:2) dos homens naturais que, por isso mesmo, não podem compreender as coisas do Espírito de Deus, por lhes parecerem loucura (1 Co. 2:14).
Os Kardecistas também creem que Deus fará justiça punindo o pecado. O que eles não admitem é que a punição seja tão severa. Todavia, o castigo do pecado terá a duração que Deus julgar necessária, e não a que gostaríamos que tivesse.
Não nos deve causar estranheza o fato de os padrões da justiça divina não coadunarem com os nossos pontos de vista. Até os livros de Allan Kardec nos exortam, como já informei acima: “Por que haveis de avaliar a justiça de Deus pela vossa?”. Este conselho foi dado por um demônio a Allan Kardec, mas os kardecistas fariam bem, em acatá-lo. Neste ponto o diabo está certo.
Ainda a respeito da alegação de que o tormento eterno é oposto ao amor de Deus, respondo que Deus preferiu nos dar Seu Filho Unigênito para nos livrar do Inferno, a diminuir o castigo devido ao pecado.
A eternidade da pena do pecado santifica o nome de Deus, pois evidencia que Ele não compactuou com o pecado, deixando de puni-lo a altura de seus méritos.
Deus não precisa afrouxar a pena do pecado para demonstrar o Seu amor por nós, visto que o Seu infinito amor já se descortinou no Calvário (Rm 5.8).
Os horrores do tormento eterno provam o valor do sacrifício de Jesus. A grandeza de um  livramento é proporcional ao tamanho do perigo do qual se livrou. São os livramentos das grandes catástrofes que, geralmente, nos deixam grandemente emocionados. Quando nos livramos de um pequeno inconveniente, não nos emocionamos muito. Assim podemos perceber quão grande é o livramento que Jesus nos deu! Ele nos livrou dos horrores eternos! Logo, infinito é o valor do seu sacrifício por nós! O sacrifício é de valor infinito porque o sacrificado infinito é, pois se trata do sacrifício do Deus-Homem. Este sacrifício infinito se fez necessário porque a pena é infinita. A pena é infinita porque o pecado é crime cuja hediondez é infinita. E o pecado é crime de hediondez infinita porque infinito é o Deus contra o qual pecamos. Este Deus, por ser infinitamente justo, lavrou uma sentença infinita. E por ser infinitamente bom, provê salvação infinita, através do sacrifício de preciosidade infinita, a todos os que arrependidos aceitam a graça infinita, oriunda do hediondo espetáculo da Cruz de Cristo (Lc 23.48). Espetáculo este de valor infinito. Deste modo, o sacrifício infinito prova que a pena é infinita, pois do contrário seria desperdício. E a pena infinita prova o valor infinito do sacrifício, pois de outro modo seria insuficiente, isto é, por não ser correspondente, não substituiria o pecador; e, portanto, não quitaria a dívida contraída por nós.
É possível concluir que Cristo não pregou o suplício eterno? Já sabemos que Kardec respondia positivamente a esta pergunta, mas essa postura não condiz com os fatos. A Bíblia (o Livro ao qual Kardec amiúde recorria no intuito de provar não sei o quê), muito longe de lhe ser solidária, o refutava.
Ser ou não ser cristão, é possível; mas é impossível ser espírita e cristão simultaneamente. Conheço muitos cristãos, bem como inúmeros espíritas, mas cristão-espírita ou espírita-cristão, eu ainda não vi, sequer, um.
Do exposto neste capítulo, o Inferno está justificado, Deus não é desonrado por isto, Jesus é exaltado, e os kardecistas que se cuidem.
A nossa mente finita, muito aquém da de Deus, não consegue entender a coexistência do inegável e demonstrado amor de Deus, com a pena eterna, mas Deus nos deu prova cabal de que os dois (o amor de Deus e o Inferno) existem. O sacrifício de Cristo para nos salvar do Inferno prova duas coisas ao mesmo tempo: Deus é amor e o Inferno existe.
E não venham com essa de que “a morte de Cristo não foi expiatória, mas apenas um exemplo de amor, cujo objetivo era despertar na humanidade um maior interesse à prática do bem, acelerando deste modo o nosso processo evolutivo em direção à perfeição”, porquanto essa doutrina é estranha ao Cristianismo, do qual vocês se dizem adeptos; sendo, portanto, oriunda, ou da cabeça de Allan Kardec, ou dos demônios que consigo se comunicavam, ou de ambos. E ambas as fontes são espúrias. A Bíblia é confiável em matéria de fé, e se não, pergunto: Por que vocês não param então de citar referências bíblicas (textos isolados que vocês julgam apoiá-los) em abono às suas doutrinas? Se a Bíblia é confiável, parem de pregar essa salvação barata que pode ser comprada com boas obras e sofrimentos, e proclamem a eficácia do sangue de Jesus (I Jo. 1:7); se não, queiram, por favor, abandoná-la. Fazendo isso, o Kardecismo será menos incoerente e não levará para o inferno pessoas bondosas, sinceras e inteligentes que, não obstante, por essa seita se deixam levar. Os milhões de kardecistas espalhados pelo mundo afora, constituem prova de quão sutil é o kardecismo. Ele é diabólico, mas muito parecido com Satanás, aparenta-se com algo bom ou inofensivo, ou seja, ele é a cara do pai.
Do que acabamos de expor neste capítulo, o Inferno é uma questão de justiça; e a cruz de Cristo, uma mescla de justiça e graça. Não raramente os kardecistas afixam nos seus carros um adesivo com o seguinte texto: “Reencarnação, uma questão de justiça”. Que tal distribuirmos adesivos com textos mais ou manos assim: “Inferno: Uma questão de justiça”; “Cruz de Cristo, uma questão de graça”; “Cruz de Cristo, uma questão de justiça e graça”; ou ainda: “Cruz de Cristo, uma mescla de justiça e graça”.
Extraído do livro O ESPIRITISMO KARDECISTA, E SUAS INCOERÊNCIAS – Pr. Joel Santana